Imprimir Imprimir

Valor 04: Igualdade entre os Membros da Igreja

Nunca foi propósito do Senhor que Seu povo se dividisse em castas: clero e leigos. Mesmo com Israel, o propósito original de Deus era que toda a nação fosse um “reino sacerdotal”, uma “nação santa” (Êxodo 19:6). A exclusividade levítica para o exercício do sacerdócio foi uma decisão circunstancial que veio em decorrência da apostasia generalizada das outras tribos no episódio que envolveu a adoração do bezerro de ouro (Êxodo 32:26). Mas tal sistema, imperfeito aos olhos de Deus (Hebreus 7:11), não deveria durar para sempre.

O sacrifício do Senhor Jesus causou uma ruptura no velho sistema e inaugurou um novo e eterno modelo segundo o qual Jesus é o nosso Rei e Sumo-Sacerdote (Hebreus 5:6) e todos os crentes fazem parte deste reino sacerdotal (I Pedro 2:9). Hoje somos todos sacerdotes porque Jesus Cristo “nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai” (Apocalipse 1:6). Desta forma Deus não nos chama de leigos, mas de sacerdotes. Cada membro da ICBU deve se considerar um sacerdote escolhido por Deus para o progresso de Sua obra.

O Senhor, através do Espírito Santo, atribui diferentes talentos e funções aos seus filhos a fim de que cada um desempenhe seu sacerdócio em diferentes ministérios. Deve-se ter em mente que isso não nos torna superiores aos demais, pelo contrário, tais atribuições e responsabilidades nos tornam servos dos nossos irmãos. A cabeça da igreja é o Senhor Jesus. Não há mais espaço para discussões a respeito de quem é o maior. “Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo” (Efésios 4:15)